6 de dezembro de 2017

Entrevista - Um 'dê di próz'* com Renato Magalhães

* legenda para os menos familiarizados ao mineirês: dedo de prosa.


Hoje eu venho publicar uma entrevista que fiz recentemente com Renato Magalhães, artesão que conheci há alguns anos na feira da Afonso Pena, na capital mineira. Homem admirável, de personalidade forte (porém de uma humildade e brandura que contagiam), Renato (justamente por conta de tanta humildade) me deu certo trabalho...

Para começo de conversa, fiquem vocês sabendo que ele não queria que eu escrevesse sobre seu trabalho aqui no Coisicas (e eu só escrevo sobre o trabalho de artistas/artesãos que me permitam fazê-lo)... A verdade é que Renato não quer holofote, não busca reconhecimento... (então para quê quereria uma publicação na internet sobre a beleza do que faz??).

Para um artesão tão desprendido de vaidade como ele, argumentos do tipo "o teu trabalho pre-ci-sa ser conhecido por mais pessoas!" (ou, o que seria mais justo dizer: "as pessoas pre-ci-sam conhecer o teu trabalho!") não causam comoção... Tive de persuadi-lo, então, com outro argumento - e mais contundente: uma publicação no Coisicas Artesanais, um blog com talvez 6 leitores, não seria capaz de tumultuar a pacatez da sua vida de artesão anônimo... ;)

Diante de tão forte e incontestável argumento, Renato acabou cedendo ao meu assédio e me autorizou a falar de seu trabalho. Coisa que, aliás, fiz na hora! (Antes que ele pensasse um pouco mais e mudasse de ideia! rs)... Isso foi há quase dois anos. Leia aqui o post publicado à época.

Bem, brincadeiras à parte, nós dois ficamos muito felizes quando uma moça de Fortaleza, que estava em BH a trabalho, chegou este ano lá na sua barraquinha dizendo que havia rodado a feira inteira "catando ele" e que o estava procurando porque tinha lido sobre o seu trabalho num blog de artesanato... (Ai, gente!!! Teria eu 7 leitores e não 6 como penso?? rs).

Percebendo a alegria que sentimos com aquele contato/feedback inesperado, achei que era chegado o momento de, finalmente, propor ao Renato uma entrevista aqui para o Coisicas...

E não é que ele topou de pronto?! =)

Coisicas Artesanais - Renato, onde você nasceu e em qual data?
Renato Magalhães - BH, 1963.

C.A. - Na infância, quais eram as tuas brincadeiras favoritas? Você tinha já algum contato com a argila?
R.M. - Não... Era brincadeira de criança mesmo, mas eu fazia os meus brinquedos, gostava de jogar bola...

C.A. - Que legal! Outros artesãos que já entrevistei aqui também contaram que criavam seus próprios brinquedos na infância... Quais brinquedos você fazia?
R.M. - Eu fazia aviões, ônibus, de isopor, de papelão..., carrinho de rolimã... Eu gostava de origami também, né... Tem coisa que eu lembro como faz até hoje, muitas eu já esqueci, eu tinha 9 anos quando fazia essas dobraduras...

C.A. - Que legal, Renato! E, nessa época, você sonhava em ser o quê quando crescesse?
R.M. - Ah, eu não tinha noção ainda do que eu queria... Eu gostava mesmo de desenhar...

C.A. - Então você desenhava??
R.M. - Desenhava...

C.A. - E desenhava o quê?
R.M. - Olha, meus desenhos eram variados.... na adolescência era mais psicodélico, gostava de preto e branco, luz e sombra... Fiz até um autorretrato meu.

C.A. - Nossa! Que bacana! Agora eu fiquei curiosa, quero ver esse autorretrato um dia! ;) E, vem cá..., antes de trabalhar com argila, criando suas mandalas e seus colares, você trabalhou com alguma outra coisa?
R.M. - Ah... várias coisas... Desde trabalhar com floricultura, bem novo, ajudando meu tio... Tive carteira de trabalho assinada com 14 anos... Empresa de transporte, almoxarifado, empresa pública...

C.A. - De tudo um pouco?
R.M. - É...

C.A. - E você acha que essas experiências tão diversas ajudaram a formar o Renato que você é hoje?
R.M. - Ajudaram... porque você vê muita coisa, tem noção de tipo de pessoas, a visão do lucro, as pessoas ali... Ver algumas coisas me desgostou até, me fez até querer sair...

C.A. - Te fez perceber que você queria outra coisa pra tua vida?
R.M. - É... eu não queria passar por aquilo não, rs...

C.A. - E em qual momento da vida você "encontrou" a argila e passou a fazer artesanato?
R.M. - Ah, já desde os 16 anos... Tinha uma cerâmica perto de casa e eu comecei a fazer uns desenhos nos jarros de um amigo. Eram desenhos que eu já fazia em papel... e comecei a passar pro barro. Aí eu gostei de trabalhar com cerâmica, que tem os quatro elementos da natureza, e aí não parei mais...

C.A. - Nossa... Que interessante isso, Renato... Porque o desenho parece que esteve sempre presente como uma necessidade expressiva tua, desde a infância, né? Você gostava de desenhar quando menino; começou fazendo desenhos em papel (fez até autorretrato!). Depois, foi passando os teus desenhos pra jarros de cerâmica e, hoje, as tuas mandalas têm um elemento pictórico muito marcante, trazendo formas, linhas e contornos tão cuidadosamente elaborados! Bem..., o desenho, eu acredito que seja mesmo uma habilidade inata, um dom teu, mas... e a argila? Alguém te ensinou alguma técnica para o trato com a argila ou isso foi um aprendizado intuitivo?
R.M. - É... Olha... eu desenvolvi muita técnica própria e aprendi com muita gente, observando as pessoas trabalhando.

C.A. - Hum... Você se considera um bom observador?
R.M. - Sim...

C.A. - Renato, você acredita que a dedicação ao artesanato é capaz de nos ajudar em processos de cura?
R.M. - Olha... Não sei desse negócio de cura... Pra mim, quem cura é Deus. O que eu acho que acontece é que quando você se determina a fazer alguma coisa, qualquer coisa, você muda o foco.

C.A. - Muda o foco e, daí, abranda a dor??

R.M. - É. Aí você fica melhor...

C.A. - Você acha, então, que é uma questão de propósito e determinação?
R.M. - É. Porque... qualquer coisa que vc faça, se te distrai, te tira da dor e você consegue vencer... Às vezes meu filho me chama pra brincar e eu tô cheio de dor, mas ali na hora, brincando com ele, parece que não tem a dor...

C.A. - Renato, você gostaria de deixar alguma mensagem para os nossos talvez 6 ou 7 leitores? ;)
R.M. - Ah... ter sempre confiança no que gosta, porque o maior valor é você ter uma satisfação profissional, o dinheiro é só consequência... Então é você trabalhar, não pelo dinheiro, mas pelo prazer de trabalhar.


Coisicas Artesanais - Entrevista com Renato Magalhães
As mãos do artista...

Coisicas Artesanais - Entrevista com Renato Magalhães
... e suas peças, expostas na feira da Afonso Pena, em BH.

Renato, querido, muito grata, demais da conta mesmo, por esse dedin de prosa aqui pro Coisicas! Por mais que eu já tenha dito isso pessoalmente, mais de uma vez até, acho que você não pode imaginar o tamanho da minha alegria e o prazer que você me proporcionou quando me autorizou a escrever sobre o teu trabalho e ainda mais agora, com essa entrevista. Por isso, mais uma vez eu digo: lhe sou muito, muito grata!

Desejo tudo de mais lindo pra você, que Deus continue te fortalecendo e te inspirando a se superar, a surpreender e a criar e recriar a beleza nas tuas peças, tão delicadas e únicas!

Muita Luz e belas inspirações sempre pra você!

Aos leitores que estejam por BH e queiram visitar a barraquinha do Renato sem ter que "fazer a gincana" rodando a feira toda procurando por ele, vou deixar a dica para ficar mais fácil encontrá-lo. A feira acontece sempre aos domingos, na Av. Afonso Pena (entre a rua da Bahia e a Guajajaras) e o Renato fica no setor das cerâmicas, no lote das barraquinhas de cor vermelha e branca, pertinho da calçada do Palácio das Artes. O "endereço" é este:

Setor G - Fila 5 - Barraca 15

Anota direitinho pra não se perder, porque a feira é graaaande! ;)
...............................................................................................................................................................

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...